21 de julho de 2016

Raffaella Piccirillo Music and History

A cantora, compositora e apresentadora Raffaella Piccirillo nasceu em Cremona na Itália, terra do famoso Luthier do século XVIII Antonius Stradivarius. Vinda de uma família de militar, Raffaella nos conta que em sua infância e adolescência não houve grandes oportunidades, houve sim alguns sacrifícios. Contudo, as coisas caminharam com tranquilidade. Desde a infância sempre demonstrou muito interesse pela musica. Seus professores do ensino primário perceberam que a musica a fazia participar ativamente das atividades extracurriculares, tal como o festival musical de final de ano. Viam assim, uma oportunidade de ajudá-la a vencer sua timidez. Sua primeira apresentação foi aos sete anos em um desses festivais. Logo após essa fase, começou a fazer pequenas apresentações nos clubes, às vezes essas apresentações eram pagas e às vezes não.

Raffaella nos revela que iniciou sua carreira musical através de aulas de bateria e canto. Todavia, cantar tornou-se sua grande vocação. E assim, seguiu estudando canto com aulas particulares e também em escolas de musica. Em sua trajetória pela musica a cantora nos relata que teve vários professores. Depois de uma experiência autodidata, passou a frequentar aulas particulares e escolas de musica para experimentar diferentes métodos de canto. E, arcando com os custos das aulas por conta própria. Em relação ao estudo de musica a cantora enfatiza: “busquei aprender desde cada singular experiência para meu crescimento artístico, nesse ambiente você nunca para de aprender, devemos nos manter sempre atualizados, especialmente se você quer produzir sua própria musica e se tornar um artista independente”.

Atualmente a cantora dedica-se em período integral a musica; trabalhando no rádio, compondo e trabalhando com outros artistas em colaborações musicais. "Tenho a mente sempre focada em musica", ressalta. Suas principais atividades na musica são; compor e cantar. Quando perguntado se ela teve o apoio da família em sua carreira musical, Raffaella nos diz em tom de brincadeira: “Não, eu não sou filha de músicos, embora a arte estivesse sempre presente em minha família. Infelizmente, eu não me recorde de ter tido recomendações.”. E acrescenta que, por isso o começo foi muito difícil, nem sempre se encontra pessoas que querem seu bem. Entretanto, é importante criar um bom currículo artístico, sem estar compromissada com habilidades que não dizem respeito à arte musical em si.

Após anos e anos cantando canções famosas ela sentiu que precisava apresentar algo exclusivamente dela e decidiu entrar no jogo. E assim, isso se tornou parte de sua vida. Começou a escrever suas próprias canções e construir sua produção independente. Isto deu a oportunidade de participar de colaborações com outros artistas independentes e desenvolver-se artisticamente. Suas composições geralmente são concebidas durante o silêncio da noite, quando sonha com histórias, situações e emoções que chegam para ela vividamente. Os artistas que a inspira são: Dolores O'Riordan, Nico Chelsea, Jim Morrison, Lene Marling (pelas composições), Alicia Keys, Christina Aguilera, Aida Cooper e Tina Turner (pelo estilo vocal e versatilidade), entre outros nomes.

A primeira musica escrita pela cantora foi Fragments of My Dreams, gravada em 2012 para seu primeiro EP contendo cinco musicas escritas e produzidas por ela. Além das produções independentes, Raffaella é adepta às colaborações musicais com outras artistas independentes, e podem ser conferidas no site oficial da cantora na seção discografia. Sua mais recente parceria musical foi uma memorável releitura da musica Give Me Kisses, uma criação do compositor brasileiro Zel Florizel. Sua criação predileta é a musica Roxy Song. Uma homenagem que Raffaella escreveu para sua amiga e poetisa Rossella Ferraris que partiu prematuramente.

Quando questionada se ela podia viver da musica a cantora nos disse que isso ainda é difícil. Contudo, seu principal ganho é divulgar seu nome e colecionar muitas experiências interessantes no cenário musical e acrescenta: “isto pagaria qualquer quantia em dinheiro”. Sobre dificuldades na carreira Raffaella acrescenta que ainda há muito prejuízo para artistas independentes. “Se você não tem contrato com gravadoras famosas e multinacionais, basicamente você não é ninguém para a maioria das pessoas, não importa se você faz musica concretamente por anos e anos.” A cantora enfatiza que trabalha com musica em razão de não ser capaz de viver sem musica. “A música para mim é um estado de espírito, a necessidade de explicar o meu mundo interior através das notas,” ressalta.

Em 2012 Raffaella teve a oportunidade de começar a colaborar com a Radio Itália DJ, uma web radio diferente, conforme relata. E com esse trabalho têm apresentado artistas independentes e de forma gratuita, isso têm sido para ela uma resposta para as suas próprias dificuldades encontradas nos últimos anos. A cantora – e agora apresentadora – sente-se feliz em estar constantemente conhecendo artistas interessantes e que vivem a mesma experiência que ela. Sobretudo, com a esperança de mudar alguma coisa para os artistas independentes.

Sobre trabalhos voluntários Raffaella diz que, se estiver dentro de suas habilidades ele de bom grado pode participar, com sua musica, em eventos de caridade em qualquer país. Do mesmo modo em que há plataformas de compartilhamento de musicas onde você pode apoiar instituições de caridade. Em relação à complexidade do mundo a cantora faz a seguinte observação: “Infelizmente, muitas coisas ruins acontecem no mundo, porém, temos que fazer a diferença... como diz uma antiga canção do Michael Jackson ‘Heal the World’”. Suas expectativas sobre o mundo é a paz mundial. Contudo, acredita isso ser uma utopia.

O que chateia Raffaella é a falta de respeito pelas pessoas, pelos animais entre outros fatos. E o que a faz feliz é poder se expressar, poder estar com sua família, com tranquilidade e trabalhar em boas produções musicais. E aproveitando a oportunidade, Raffaella agradece todos seus fãs e amigos que têm conhecido através da web. E convida todos àqueles que ainda não conhecem seu trabalho a conhecê-lo através de suas plataformas digitais. Essa entrevista foi concebida no inverno de 2016 (no Brasil) via web. Para saber mais sobre o trabalho de Raffaella Piccirillo acesse suas páginas na internet: Raffaella Piccirillo Official Website, ReverbNation, LinkedIn, SoundCloundMixCloudMySpaceFan PageTwitter, G+, TumblrWordpress e Piterest.

15 de julho de 2016

Sete Dicas Para Redigir Um Bom Currículo

  1. O currículo deve ser claro e objetivo;
  2. Os dados pessoais devem ser resumidos;
  3. Deve ter um número suficiente de contatos (e-mails, telefones) para que a empresa possa te localizar rapidamente;
  4. As qualificações devem constar no currículo;
  5. As experiências devem estar de acordo com a vaga pretendida;
  6. O campo “objetivos” serve para mostrar que você tem planos bem definidos para o futuro, se for relacionado com a atividade da empresa é melhor ainda;
  7. Se você tem outra atividade profissional verifique se ela está de acordo as expectativas da empresa, se não estiver não a cite.


3 de julho de 2016

Bruna Campos Desvendando os Segredos dos Direitos Autorais

O mercado fonográfico, diferentemente do que era praticado na antiguidade, onde os autores apresentavam e vendiam suas obras em praça pública, hoje movimenta milhões em todo o mundo, inclusive na arrecadação e distribuição de direitos autorais. Compositores, letristas e artistas em geral dão duro para ter seu trabalho reconhecido e obter uma fatia desse bolo. Apenas no ano de 2015, o Escritório de Arrecadação de Direitos Autorais – ECAD distribuiu 771,7 milhões de reais entre compositores, intérpretes, músicos, editores, produtores fonográficos e as oito associações de gestão coletiva musical que o compõe. Apesar do advento da internet, as informações sobre os direitos autorais são pouco difundidas e muitas vezes distorcidas.

Em meio a esse cenário incerto surge uma voz com conhecimento de causa, coragem e autoridade para elucidar as questões envolvendo os direitos autorais, Bruna Campos (37). Nascida em Campo Grande – MS, com descendência japonesa por parte do avô materno oriundo da província de Oknawa no sul do Japão e filha mais velha de uma família de dois filhos, Bruna nos conta que sempre foi apaixonada pela musica. Inspirada pelo pai, que fazia parte do octeto de vozes da igreja Batista e do Quarteto Prelúdio que frequentemente ensaiavam em sua casa, a cantora cresceu ouvindo musica o que a fez envolver-se por essa arte, chegou a participar de alguns programas de TV quando criança e posteriormente cantou na igreja.

Entre a infância e adolescência gostava de praticar esportes como o vôlei e basquete, dançar e cantar. Concorreu em festivais de musica na escola onde também tocava lira na fanfarra. Aos oito anos, já mostrando muita responsabilidade, passava um mês preparando seu show, com coreografia e dublagem sendo duas horas de repertório muito bem ensaiado. E em um dado dia, fazia com que seu pai assistisse sua performance logo que chegara do escritório e antes mesmo que tirasse a gravata. Ali em uma cadeira, estrategicamente colocada em frente ao portão, o Dr. João Campos permanecia duas horas apreciando o que Bruna costumava chamar de showzinho infantil. A cantora ressalta que não se lembra de sua vida sem musica. Cresceu cantando musicas das cantoras de sua época e também cantava na igreja, sua tia costumava dizer que ainda quando bebê seu choro já era melódico, acrescenta.

Em 1996, sem o apoio da família – pois seu pai já sabia como era difícil a vida dos artistas na noite por experiência própria – a cantora iniciou sua carreira musical e participou de apresentações e da gravação da musica Se Você Quer no CD ao vivo da dupla João Haroldo e Betinho. Bruna enfatiza que foi um grande sucesso, contudo, seu pai aconselhou-a que parasse de cantar até terminar a faculdade. A partir daí, passou a cantar apenas como hobby. Em 2000, Bruna tirou a carteira da Ordem dos Músicos e passou a apresentar-se profissionalmente. Ela nos relata que foram tempos difíceis, cantou em bares e botecos de Campo Grande por dois anos. A dupla Bruna Campos & Thiagão surgiu em 2001, ela e seu parceiro fizeram shows durante um ano. Embora tenha muito talento para o canto, Bruna nos revela que não toca muito bem violão e não domina instrumento algum. Começou a estudar piano, flauta e violão, nunca foi até o final com nenhum deles. Porém, no piano ainda se arrisca, desde que não tenha nenhum pianista ao lado. Sobre autorias próprias ela diz que não compõe e, isso não é por má vontade. E sim, porque ela acredita ser melhor usar seu tempo incentivando seus compositores a compor e usar o restante do tempo cuidando deles e esclarece: “se eu começar a compor também, eu vou perder o foco”.

Atualmente Bruna faz parte de um trio formado por Flavinho Coelho irmão do compositor Euler Coelho e o violonista Elinho Wada no projeto intitulado Derrama. O projeto Derrama surgiu da ideia de gravar o sertanejo antigo para apresentar para o público infanto-juvenil as origens da musica sertaneja, ou seja, quando começou. E também, visando preservar a história do gênero. O trio não faz shows, foram prensados apenas duas mil cópias do CD e distribuído entre amigos. Entre as regravações estão grandes sucessos apresentadas anteriormente nas vozes de Duduca e Dalvan, Durval e Davi, entre outros artistas. Bruna enfatiza que quando vê um vídeo em que a mãe gravou o filho cantando musicas do CD Derrama, tanto ela quanto seus parceiros têm a sensação de missão cumprida. O CD está disponível nas plataformas digitais e no site da cantora, vale a pena conferir. O Derrama volume 2 já está sendo trabalhado. As musicas serão surpresa, aguardem!

Quando perguntado a razão de uma cantora estudar direito, Bruna nos revelou que seu pai é advogado e, assim como na musica, ela também foi influenciada a seguir o ramo do Direito. Acrescenta que achou interessante fazer Direito já que cresceu na casa de um Advogado. Durante os anos de faculdade, fez estágio por cinco anos no Ministério Público na área de consumidor e cidadania, ficou entusiasmada com o trabalho e pretendia ser promotora. Entretanto, a musica falou mais alto e o projeto de ser promotora foi abandonado. Nesse mesmo período, além de estudar Direito na Universidade Católica Dom Bosco pela manhã e fazer estágio no MP à tarde, durante a noite Bruna cursava Jornalismo na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Devido ao atraso no curso de Jornalismo gerado pelas constantes greves ela nos conta que concluiu o curso em seis anos, quando a lógica seria concluir o curso de Jornalismo primeiro já que esse tem um ano a menos que o de Direito. Porém, isso a permitiu fazer estágio em um dos maiores jornais de Campo Grande, o que foi uma experiência muito enriquecedora, ressalta. A empresária destaca que durante os anos de estudo dormiu pouco, dormiu mal, não participou de tantas festas quanto queria, porém, hoje está melhor do que muitos colegas que preferiram curtir a maioria das festas em vez de se dedicar devidamente à faculdade.

Sobre os assuntos em pauta no seu canal no YouTube, ela diz que os trazem sem receio em relação ao trabalho da editora, ou seja, os compositores não deixarão de procurar a editora porque ela está explicando tudo sobre Direitos Autorais nos vídeos, e acrescenta: “se fosse assim todo mundo iria ser advogado, pois, na internet estão todos os modelos de petições, todas as leis e jurisprudências, etc.”. O fato de compartilhar o conhecimento sobre os Direitos Autorais não enfraquece o trabalho da editora, ao contrário disso, reforça ainda mais. Além disso, demonstra a transparência e seriedade do trabalho da Editora Rede Pura para com os compositores. No pensamento de Bruna o que precisa ser feito é o fortalecimento da classe dos compositores e inclusive do ECAD. Nesse sentido sempre fala aos seus compositores: “Em vez de querer acabar com o ECAD, vamos deixar o ECAD mais forte e vamos cobrar do ECAD para que ele fique melhor”.

Antes de fundar sua própria editora Bruna Campos trabalhou durante um tempo na Panttannal Discos e ajudou a gravadora a montar sua editora. Com esse trabalhou, passou a entender mais sobre Direitos Autorais. Sobre a sua relação com os proprietários da Panttannal a empresária se diz muito grata. Pois, nesse período foi um tempo difícil em sua casa, seu pai queria que ela seguisse pelo ramo do Direito e a família Teló proporcionou a ela trabalhar com musica e não precisar jogar fora os anos de faculdade de Direito, visto que o trabalho na editora uniu as duas coisas. Durante sua estadia na Panttannal, Bruna conta que foram quatro anos de convivência maravilhosa com o Teófilo, irmão do cantor Michel Teló e o Sr. Aldo Teló, com quem aprendeu muito cujas deixas são frases de efeito sempre absorvidas por àqueles que convivem com ele, uma das preferidas de Bruna é: “as desculpas servem pra você, quando você começa a se justificar muito sobre uma coisa você está se justificando para você, no fundo no fundo você sabe que você errou”. Depois desse trabalho, esteve por dois anos com a dupla João Bosco e Vinícius fazendo assessoria de imprensa e assessoria jurídica.

No início a Rede Pura era um provedor de internet que tinha conta de e-mail bloqueada de spam daí o nome Rede Pura. Quando da revisão do contrato social da empresa ‘Provedor de Internet Rede Pura e Jornal’ a empresária sugeriu para o seu pai que também acrescentasse editora musical no contrato. Pois, se desse tempo, algum dia ela iria mexer com aquilo. E aconteceu que a editora deu certo, deixando de ser provedor e jornal e voltando-se completamente para as atividades de edição musical. A ideia de criar a editora veio do aprendizado anterior no trabalho com a família Teló. A empresária enfatiza que sua intenção não era ter uma grande editora e sim, ter o jornal, ter o provedor de internet e atender seus amigos próximos do ramo musical através da editora. Bruna destaca que quando surgiu o primeiro grande sucesso com a musica Você de Volta gravada pela dupla Maria Cecília e Rodolfo, as coisas fugiram de seu controle. Muitos compositores passaram a editar suas musicas na Rede Pura, e repentinamente não havia mais tempo para cuidar do provedor e nem do jornal, somente da editora. Então, em 2007 nasceu a Editora Rede Pura.

Segundo Bruna Campos, as primeiras dificuldades da editora foi fazer com que os sócios entendessem que aquilo poderia dar dinheiro. Pois, no começo, quando a empresa ainda era provedor e jornal, os rendimentos da editora não pagava o salário de sua única funcionária, nem contas de água ou de luz do prédio. E acrescenta que, o maior obstáculo sempre é convencer os parceiros que um negócio vai dar certo. Além do primeiro grande sucesso administrado pela editora, a Rede Pura cuida de algumas canções bastante executadas nas rádios como: Camaro Amarelo dos compositores Thiago Machado, Marco Aurélio, Márcia Araujo e Bruno Caliman, gravada pela dupla Munhoz e Mariano; Amar Não é Pecado dos compositores Marco Aurélio, Thiago Machado, Fred Liel e Gustavo Warnner Chappell; e Meteoro do compositor Sorocaba, gravadas pelo cantor Luan Santana, além de muitas outras. A editora tem mais de dez mil obras editadas e atende mais de dois mil compositores em todo o Brasil e alguns brasileiros domiciliados no exterior.

A empresária ressalta que a relação da editora com os compositores é maravilhosa. Sempre com muita atenção e procurando retorno rápido para sanar suas dúvidas ou direcioná-los ao departamento responsável. E sempre que possível ela mesma trata do assunto. Entre as parcerias a Rede Pura conta com uma agregadora que trabalha o direito autoral nas plataformas digitais e, a Warnner Chappel e Socinpro que cuidam das arrecadações no exterior. Outro fator interessante é que a editora trabalha com o sistema de audição, ou seja, a musica não precisa ser necessariamente editada pela Editora Rede Pura para ter seu potencial comercial avaliado pela editora. O compositor envia suas musicas para o setor de áudio, se a musica estiver dentro dos moldes procurados para repertório, a editora mostra para o artista, caso o artista se interesse em gravar a musica a Rede Pura faz o contrato de edição daquela obra com o compositor. De acordo com Bruna Campos, não há vantagem nenhuma em reter a obra de um autor e não seria justo para o compositor ceder 25% dos direitos autorais para uma editora de uma musica que ficará engavetada. A relação com os artistas se dá de várias formas. Quando o artista tem interesse em gravar uma musica, esse deve procurar a editora em que a musica está editada. Em outros casos o compositor fala que um artista se interessou por uma de suas musicas e quer gravar. Nesse caso, a editora entra em contato com o artista para negociar e realizar os trâmites contratuais.

Nossa entrevistada pondera que, gostaria que os compositores procurassem a Rede Pura no intuito principal de proteger suas obras. Recomenda que é sempre mais fácil quando o compositor envia a musica direto para o artista, ou seja, é uma relação que contem um envolvimento mais emocional. E acrescenta ainda, que o trabalho da editora não é simplesmente encaminhar musicas para os artistas. A editora deve dar todas as orientações para o compositor, intermediar negociações, fazer todas as documentações de liberação para a gravadora, receber da gravadora a cada três meses, se a gravadora não pagar a editora tem que cobrar. Se um artista independente quiser gravar uma musica a editora deve enviar orçamento, se o artista gravar sem autorização a editora tem a possibilidade de tirar o vídeo do YouTube, notificar o artista, processar o artista. A editora também dá todo o respaldo jurídico no caso de plágios e de gravações não autorizadas por qualquer meio, inclusive jingles de campanha política. A editora também é responsável por fazer as autorizações para as execuções na TV, por exemplo. Cada execução gera uma autorização.

Quando perguntado o que a fez criar um canal no YouTube revelando os mistérios do mercado fonográfico, Bruna Campos diz: “eu respondo essas perguntas que eu falo nos vídeos todas as semanas, então resolvi colocar em um canal, o dia que o compositor me faz uma pergunta que eu já tenha respondido em um vídeo eu envio o link para ele e sano suas dúvidas”. O que é melhor do que ligar e ficar explicando. Sobretudo, Bruna considera que sai ganhando quando a classe é fortalecida. Pois, muitas mentiras são faladas para queimar quem recebe direito autoral por aqueles que não têm interesse em pagar. Muitas mentiras são criadas por rádios e promotores de eventos, e sua luta é para derrubar essas mentiras. E continua: “eles não têm interesse em pagar, mas, nós temos interesse em receber”. Conforme relata a empresária, há sim pessoas contra o trabalho de esclarecimento sobre direitos autorais que ela vem desenvolvendo no YouTube. Entretanto, não é ela quem diz que os direitos autorais devem ser pagos, e sim a lei.

Os vídeos são elaborados de acordo com as dúvidas apresentadas pelos compositores e suas sugestões através das redes sociais ou pelo telefone. Uma boa notícia para quem gosta de acompanhar os trabalhos da Bruna no YouTube é que ela tem pauta até dezembro para novos vídeos. Com as habilidades desenvolvidas no curso de jornalismo ela roteiriza os temas, além de trabalhar os enfoques de câmeras e outros pontos envolvendo questões técnicas da produção audiovisual. No futuro, pretende colocar legendas nos vídeos para beneficiar também as pessoas com deficiência auditiva, tornando assim os vídeos mais acessíveis. Com o trabalho dos vídeos, ela nos revela que o número de obras enviadas para a editora aumentou significativamente. A intenção é encontrar os compositores que estão perdidos pelo Brasil afora, no interior dos estados e nas pequenas cidades, e acrescenta: “onde quer que tenha um compositor, pode haver um grande talento a ser descoberto”. Bruna diz que não quer apenas ficar batendo palmas e fazendo reverencia para compositores famosos, ela quer encontrar grandes talentos, e através do seu trabalho na web ela diz que vai encontrar.

A empresária comenta que pretende ser convidada para ministrar palestra sobre o tema Direitos Autorais no futuro. Pois, ela percebe que a maioria dos palestrantes que tratam do assunto não tem conhecimento profundo sobre as questões abordadas e acabam falando muitas besteiras. E essas palestras precisam de alguém que vive o dia a dia do Direito Autoral e sabe das dificuldades. Além de administrar a Editora Rede Pura e cantar, Bruna tem um selo chamado BiPop que está em estágio de expansão e atualmente está na recém profissão esposas (risos). Casada no final de 2015, divide sua agenda entre Campo Grande e Rio Verde de Mato Grosso outra cidade da região onde mora seu marido. Eles têm duas casas, e por conta do trabalho, às vezes estão em uma cidade às vezes em outra. Tem ainda a intenção de divulgar a cidade de Rio Verde de Mato Grosso, ajudar na divulgação do estado e ajudar os amigos. Gosta ainda de falar sobre maquiagem e culinária. Entre todas as coisas que faz, Bruna também é representante da Socinpro, umas das oito associações que compõe o ECAD. Além de atender os compositores na Rede Pura, ela atende artistas e músicos acompanhantes pela associação. Nas horas de lazer edita seus vídeos, assiste seriados, gosta de acompanhar os podcast da CBN para manter-se atualizada e como boa descendente japonesa adora estar ligada nas inovações tecnológicas. Ela também gosta de cachorros, quando está em Campo Grande conta com a companhia de Mony, uma pequena cachorrinha trazida por sua mãe.


Bruna sonha em ser mãe, contudo, não sabe se vale a pena colocar um filho no mundo do jeito que está hoje. Todavia, sua visão de futuro é ser mãe e poder ensinar valores para seus filhos como, ser honesto, fazer o bem e agir corretamente com as pessoas, pois isso sempre vai valer a pena. Atrelado a isso, continuar trabalhando com direitos autorais e manter os negócios da editora em crescimento. Ressalta, que os compositores nunca irão parar de compor, nem os artistas parar de cantar e entretenimento sempre fará parte da vida das pessoas. Essa matéria foi escrita no inverno de 2016, através de respostas enviadas em áudio por essa pessoa incrivelmente inteligente e simpática chamada Bruna Campos. Para saber mais sobre a Editora Rede Pura e sobre a Bruna Campos acesse: Editora Rede PuraYouTubeFacebook e Derrama Vol. 1.


  

24 de junho de 2016

EdWorld AE History


Em um mercado mundial competitivo na Eletronic Dance Music – EDM aos poucos vem se despontando um jovem porto riquenho de apenas 21 anos conhecido pelo pseudônimo EdWord AE. Ed, como é chamado por seus amigos nasceu na cidade de Mayaguez, começou a criar seus remix logo aos sete anos de idade sendo inspirado pelo DJ e produtor Tiesto e seu primo contrabaixista Jerry.

Seu primeiro trabalho foi a música Can You Handle This (2009) que lamenta tê-la perdido no seu antigo computador. Com um total de setenta e oito trabalhos, entre eles algumas parcerias com os DJs Datsik, Excision e D-Ice, a cantora Amanda Haywood e o compositor Zel Florizel, nas músicas  Solid Bounce – VIP VersionNukem VipFaded Silloutes, Con Paradox, Foi Para Nós – Dubstep VIP Mix e Há Sóis – Full Verssion, Ed tem se tornado conhecido nas redes sociais e, seu número de fãs e seguidores cresce a cada dia.

Conforme nos conta o artista, seus pais sempre o ajudaram na compra de instrumentos. No entanto, foram céticos no inicio de sua carreira. E diziam sempre: “nós podemos comprar seus instrumentos, mas, não espere ganhar dinheiro para sobreviver dessa dura e competitiva carreira”. Porém, desde 2014 consegue viver da música e se sente feliz por ter dedicado quase cem por cento do seu tempo em suas criações.

Em Novembro de 2015 foi contactado pela gravadora S.H.I.E.L.D. Recordings, que na época escutara um de seus melhores remix, Apoya Lo De Aqui (Puerto Rico Drumstep), via web e gostaram muito. Então, decidiram contratá-lo para fazer parte do seu Casting de artistas. A partir daí, passou a ter seus singles disponibilizados para venda no itunes, beatport e amazon.

Perguntado sobre quando se sentiu seguro à cerca de trilhar carreira na música Ed diz: “O primeiro dia que comecei a tocar o meu primeiro instrumento eu soube que isso era real e que poderia tornar-se, em longo prazo, uma carreira de sucesso”. O que vem se concretizando pela expansão de seu trabalho na internet. Sua Fan Page soma mais de 25 mil curtidas, seu perfil público é seguido por 400 mil pessoas e seu twitter – apesar de não usá-lo com frequência – já ultrapassa a casa de 10 mil seguidores.

Como tendência do mundo virtual e digitalizado, Ed tem todos os seus trabalhos disponíveis apenas no formato digital, tanto para venda quanto para escuta. Também disponibiliza algumas músicas para download gratuito como uma forma de retribuir os fãs pelo carinho que tem recebido. Entre suas criações, as que ele mais aprecia são: My Beat, United Love e Rat Experiment.

Em 2015, estima-se que seus fãs fizeram 672 mil downloads de suas canções, somado aos downloads feitos em 2016 já suplantaram os 800 mil. Suas músicas já foram executadas em mais de 100 países. Embora esteja no início da carreira, Ed encontra dificuldade para responder as inúmeras mensagens e e-mails que recebe dos fãs. E ressalta que graças a eles sua carreira tem evoluído e o mínimo que pode fazer para retribuir é sempre dar o melhor de si em seus trabalhos musicais.

Seu grande sonho é criar um evento de variados gêneros musicais onde as pessoas que amam música possam participar sem precisar pagar nada por isso. E acrescenta: “A música é uma linguagem universal, sempre estive disposto a dar de graça, e tenho feito com várias de minhas músicas, disponibilizando-as para download gratuitamente”. Segundo o artista, o mundo poderia ser melhor se a música fosse o idioma por meio do qual todos se relacionassem. Outro grande sonho de Ed, é participar de uma colaboração musical com seu grande inspirador, o DJ Tiesto.

O artista acrescenta que música significa tudo para ele e tem o prazer de contar sua vida através dela. Uma coisa interessante é que Ed costuma fazer músicas quando está zangado, diz que faz suas músicas baseada nos seus momentos de mau humor. Assim, quanto pior humorado ele está mais aspereza reflete em suas criações. Esta entrevista foi realizada no inverno de 2016 via internet. Para saber mais sobre Edword AE acesse seus canais na web através dos sities: SoundCloud, Facebook, Fan Page, Twitter e ReverbNation.



20 de junho de 2016

Lourenço Netto e O Mundo Extra-Físico

O campineiro Lourenço Netto (36) é músico, compositor e cantor. Com mais de dez anos de carreira o artista nos revela que desde a infância manteve contato com a música. Curtia trilhas sonoras e acompanhava bandas na TV. Seus primeiros hits foram as trilhas dos seriados O Incrível Hulk e Homem Aranha que na época assistia através da extinta TV Manchete.

Perguntado sobre o apoio da família o artista enfatiza que sempre teve o apoio dos pais, sendo eles seus primeiros patrocinadores suprindo-o com o primeiro violão, a primeira guitarra e assim por diante. Além dos pais, Lourenço teve também o exemplo do tio Kal Venturi um grande instrumentista, diz. Sempre o via com instrumentos para cima e para baixo, ressalta.

Sobre as dificuldades na carreira, ele é claro e objetivo: “Quando se ama o que faz não existem dificuldades. A música não é minha profissão ela faz parte do que sou”. Uma das mais belas declarações de amor à arte. O artista conta que tudo o inspira em especial aquilo que tenham como objetivo a transformação social.

Além de compor e cantar, Lourenço é responsável pela execução do baixo nas gravações e apresentações. Acrescenta ainda, que não foi ele quem escolheu o baixo e sim, o baixo que o escolheu. Sente no instrumento desenvoltura para se expressar com mais potencialidade.

Nas composições ele conta com a parceria de Israel Che Mendes, T. Greguol e o Espírito Luar de Carvalho junto com a médium Silvana Garcia. No palco e produções ele tem a colaboração dos músicos Gilberto Tanaka, Quilder de Paula e Gustavo Macedo.

Com muitos anos de estrada Lourenço Netto participou de vários eventos especiais, entre eles destaca o dia em que sua banda ganhou o primeiro festival de Música Espírita da Radio Boa Nova. E também um belíssimo show em que mais de quatro mil pessoas cantaram Ondas Magnéticas no encontro dos amigos da Radio Boa Nova.

Em produções totalmente independe o artista já lançou três CDs: Lourenço Netto e O Mundo ExtraFísico Nada Faz Sentido – Ao Vivo (2008), Lourenço Netto e O Mundo ExtraFísico Pneumatofonia (2010) e Lourenço Netto e O Mundo ExtraFísico Pensamentos Que Cruzam o Tempo (2013). O novo trabalho de Lourenço Netto e O Mundo Extra-Físico é o CD 200 Capas 5 Cações clique aqui para conferir.

Na entrevista Lourenço nos revela que o nome Mundo ExtraFísico surgiu por meio dos Espíritos musicais que interagem e se manifestam através das músicas executadas pela banda. Sobretudo, acrescenta que as atividades com os Espíritos começaram antes dessa atual reencarnação, porém oficialmente elas iniciaram em 2008.

Lourenço Netto e O Mundo Extra–Físico têm a missão de levar – através da música – mensagens de paz, amor e fraternidade. Cantam o que são, amam o que fazem. De acordo com o artista, os seres envolvidos no trabalho da banda são amigos espirituais que os inspiram e os conectam. Para Lourenço Netto as coisas importantes da vida são: fazer o bem, evoluir sempre e semear coisas boas. Para saber mais sobre o trabalho da banda acesse seus canais na web através do FacebookYouTube e o site oficial da banda Existem Ondas.